sábado, 10 de abril de 2010

Então fique em silêncio...



Quem me conhece sabe que eu falo muito. Tô o tempo todo falando, cantarolando, pensando alto.
Eu sempre digo bom dia, mesmo pra quem não conheço. Por favor e obrigada são lei. Com licença, que horas são?, onde?, aqui, esse, aquele, blablabla. Uma mulher normal fala, em média, 20 mil palavras por dia. Um homem 13 mil.
Pois é. Acontece que entre ontem e hoje eu falei... Bem, zero. Não, não estou fazendo greve de conversa nem nada do tipo. Tô com laringite e proibida de falar qualquer coisa que seja.
Primeiro pensei que fosse ser impossível. Como eu sobreviveria sem me comunicar? Depois pensei que eu deveria ter aprendido LIBRAS antes. Agora estou realmente me divertindo com isso. A parte engraçada é que justamente nesse fim de semana eu tô fazendo o curso teórico do detran pra poder tirar a carteira ;p Ou seja, 3 dias tendo aulas com um monte de gente que eu nunca vi na vida, que não sabem que eu falo muito e muito menos sabem do meu tratamento de silêncio.
Eu tô observando as pessoas comigo e já cheguei em um monte de conclusões.                                Primeiro tem aquela que eu já conclui muitas vezes antes por causa do meu irmão (que, pra quem não sabe, não anda e não fala): Como existe gente preconceituosa no mundo! Sério, tem gente que fica olhando torto, menospreza ou faz cara de pena. Ridiculo! Ah, é, eles sabem que eu "não falo" porque ontem, na primeira aula, o professor me fez uma pergunta e eu escrevi uma plaquinha com a resposta e eu "desculpe, não posso falar" ;p
Aí, em contrapartida, tem aquelas pessoas que são super simpáticas e atenciosas. Que não se importam em ler minhas plaquinhas e prestam atenção nos meus gestos quando quero perguntar/pedir algo.
E existem aqueles eternos egocentricos que sentam do meu lado no intervalo, conversam 15 minutos sobre assuntos aleatórios, e em nenhum segundo percebem que eu só gesticulei em resposta.
Pois é, tá sendo bem curioso ficar muda esses dias. Tô me sentindo como se eu realmente não pudesse falar nada, nunca. É engraçado que a maioria das pessoas gesticulam de volta quando eu gesticulo. Mesmo minha mãe, minha avó e tal.
É, mesmo sendo engraçado não vejo a hora de ter minha voz de volta!

1 rabiscos alheios:

Ana Carolina disse...

Engraçado quando só percebemos que algo faz falta quando não o temos. Como quando falta luz e então percebemos como a eletrecidade é importante. Ás vezes, algo nos ser tirado temporariamente, chega a ser bom, como um aprendizado. E dá pra perceber que você está fazendo justamente isso: aprendendo coisas que talvez você não visse dessa forma sem a sua temporária condição.
Melhoras.
=*